A história de Andruz

Parte 3: A despedida.

Ao tocar aquele rosto senti toda a beleza do mundo. Um sorriso complacente, deixou-me entorpecido e livre. Sua pele... cada centímetro de seu corpo, era o que poderia existir de mais delicado e vívido... Mas com o passar dos segundos percebi a dor do tempo a correr e se alastrar em sua feição, mesmo que de nada ele demostrava sentir à não ser pelo seu corpo se cristalizar. Foi quando, ele se levantou, deixando minha mão se perder no ar, quando antes estava a acariciá-lo, para voltar para as águas escuras.


Ficou claro: eu o amava e iria perdê-lo. Sentia-me completo mas, ao mesmo tempo apreensivo... Definitivamente, não queria que ele partisse. Ele emergiu das águas antes mesmo de eu tomar consciência das minhas lágrimas. Voltamos a nos sentar no mesmo canto do salão, onde estávamos a pouco e, de algum modo eu sabia: seria ali, a nossa despedida.

Sem ter como lutar contra a morte, aqueles segundos se findaram em meu pensamento como eternos. Mergulhei profundamente na intensidade daquele olhar plácido, libertando-me do medo e do julgamento alheio. Naquele instante eu era a concretização dos meus mais íntimos sonhos. Conheci a beleza e a felicidade de ser eu mesmo, ao mesmo tempo que descobri a dor da saudade que iria sentir.

Ele se levantou e se foi para sempre. Não mais chorei apesar da pungente dor que senti em meu peito. E naquela festa, onde o anfitrião anunciava sua morte, ele não foi percebido por aqueles que ali se encontravam, perdidos em suas dúvidas e músicas sem sentido.

Eu me reconheci em mim e, ao mesmo tempo, deixe-me para traz pois o amor que havia vivido não mais viveria... não mais existia... Agora só existia eu, meio dilacerado por perdê-lo, mas estranhamente mais forte, mais consciente de mim mesmo.

Sem nenhuma lágrima eu parti daquele lugar... sabia que nunca mais voltaria lá, mesmo porque o que eu precisava de lá já vivia em mim... A noite continuava a espreitar-se no breu e na fina neblina... as cores e as luzes eram as mesmas de antes, mas nunca mais serão as mesmas para mim.

Talvez eu nunca mais encontre um amor... Talvez ele nunca existiu como algo transmaterializado... Andruz foi o amor e se foi, mas não antes de mostrar ao incrédulo a possibilidade de algo impossível. Impossível em sua completa afeição, mas possível em sua essência.

No breu daquela noite você viu eu me fundir com a neblina e nunca mais se soube noticias minha, pois nunca mais eu fui aquele que conheceu, agora eu sou aquele que só vivia em mim mesmo.

Fim

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gentileza

Reflexos

Sobre