Postagens

Mostrando postagens de 2018

Denúncia

Imagem
Ele lavava as mãos calmamente. Entre seus dedos, meu sangue insistia em ficar grudado, denso na sua inútil composição, até escorrer ralo abaixo no ritmo do quase nenhum esforço, formando vértices do esquecimento. Para ele, o som da minha respiração quase inaudível era suficiente para ativar a mais pura ira de sua perversão. O salão que ele me deixava era frio, escuro, úmido e, naquele momento, ouvir o som das moscas que pousavam nas minhas feridas para se alimentar e botar seus ovos era o único sinal que eu ainda estava vivo.
Quando as mãos já estavam lavadas de qualquer sinal de pudor ou arrependimento, seu ritual passava a ser o de enxugar a face do suor fétido que o lembrava das imperfeições. Não com o mesmo zelo de antes, se apressara para buscar o próximo açoite e em mim proferir uma devassidão de silêncios e agressões. O prazer dele se mesclava entre o gozo da dominação e a sede infinita de grandeza.
Minha mordaça era ilusão, e meus braços e pernas estavam presas pela esperança …

Eles estão por aí

Imagem
Era apenas uma manhã ordinária, cuja necessidade se resumia em terminar o dia sem me preocupar em fruir os prazeres dos inócuos momentos. Fui levado pelo imaginar de que estar ao seu lado me tornaria a cor que complementa. Aquela capaz de lançar os teus desejos à um compromisso de dizimar o quase niilista desgosto do existir.
Apesar dos despretensiosos traços serem capazes de gerar obras belíssimas, é na intenção que se explicita tua maestria. Ao passo em que mergulhei na escolha de você, meu corpo se encheu de desejo em sentir tua lisa pele sob a minha, e um gozo compartilhado se tornar nossa prerrogativa.
Tuas palavras, mesmo aquelas lançadas e filtradas pela distância física, me despertavam a veleidade de te tocar e conduzir de modo anárquico os disparates do sonho. Ser teu - eu pensava – tornou-se necessidade, uma vez que a vida só não me basta.
Mas, o caminho do desejo é uma armadilha, pois não poupa meu corpo do massacre da dúvida, tampouco deu garantia de um recompensador fim.…

O caso surreal do triste fim de uma resposta que não veio

Imagem
[PARTE 01]

A rainha estava quase ao meu lado, ela não usava chapéu e seus cabelos, que foram tingidos de prata pelo tempo, estavam perfeitamente alinhados com a sua postura de quem sabe o que representa. Eu ocupava lugar especial naquele evento de gala no salão vermelho. Eu estava no palco, junto da rainha e fazendo par com todas as pessoas importantes. Enquanto o evento acontecia, o qual pouco sei o motivo, eu reparava nas pessoas que ocupavam as primeiras fileiras do grande hall, em especial, a família, cuja moça de vestido simples azul, me chamara a atenção desde quando passava pelas filas de espera para adentrar àquele lugar.
Não se tratava de entender a língua que se falava no local. Não precisava entender as palavras, eu precisava apenas estar lá e aproveitar a oportunidade para conseguir desvendar o enigma da minha ignorância. No momento apropriado, tirei a grande tela do meu bolso, com o intuito de mostrá-la para a rainha. A pintura flutuava sem nenhum constrangimento, e some…

O Porvir

Imagem
Escolho o olhar perdido, a voz que falha e as frases incompletas de um abraço nunca dado. Pois percebo que os problemas que passei, assim como as conquistas e as perdas que compõem este caminho, fazem de mim um amalgama de gente, que luta contra a natureza obscena da perversão.

Mas não me entenda mal, não se trata de me sentir capaz de mudar o mundo à minha volta, ou sequer mudar o outro, seja lá quem ele o seja. Nesse caso, o inerente a minha existência se confunde ao etéreo do desejo, cujas vontades egoístas e mesquinhas, no momento seguinte, já deixaram de existir.

E o que sobra é a dúvida que mesma seus gosto do tempo com a saudade e a esperança de um novo reencontro comigo mesmo. Aquele que um dia amei ser.

Sou a necessidade dos encontros voluntariosos de olhares, assim como sou o errante da escolha e do pertencer a mim mesmo, aos meus comprometimentos. Sou a urgência do estético e da sinceridade, até no momento em que eles não sejam capazes de traduzir a sutiliza azeda da incomp…

Te ofereço minha adorável bagunça

Imagem
Então você se sentou ao meu lado, como se eu pudesse assim vislumbrar de perto tudo aquilo que venho a sonhar esses últimos meses. Enquanto mantivemos a casualidade da conversa, tentava esconder aquilo que não podia dar nome ainda, mas eu me sentia pateticamente indefeso perto de você, e assim o meu olhar fugia do seu. Mas, eu aproveitava esses espaços para tomar coragem e então conseguir voltar a olhar os seus olhos e saborear o gesto de como me via. Ainda é enigmático.
Fazia isso de propósito? A calmaria parecia te guiar dessa vez, e eu já não mais conseguia me esconder em qualquer vantagem que a idade supostamente me dera. Será que estava a me testar o quão vulnerável eu ficava frente ao desejo que sinto por você? Estava a tal ponto que meu corpo acendia e transbordava de calor e suor, mais pelo anseio do que por ser um dia veraneio.
Será que percebia tudo isso e queria então me ver ultrapassar a fronteira da libido que impulsionava as palavras da concretização de um toque ou do p…