O fio da memória e os cabelos teus

O mais sádico dos prazeres configura-se naquilo que percorre os meus pensamentos. De tudo, ou cada parte – se-pa-ra-da-mente – sou o que restou da incompletude dos sonhos de outrora e, devo admitir, é uma tarefa homérica deixar o castelo de cristal pois não consigo olhar para trás e deixar de lembrar os louros cabelos do meu primeiro amor a cambalear maliciosamente na ingenuidade da puberdade. Amor sete vezes amor. Sete anos construindo tijolo por tijolo desde castelo, para então cá repousar num sono profundo o precioso e imaculado vaso de mim mesmo. Deste modo, preservei-me intocado dos prazeres e dos gestos mortais, protegido pelas chaves da esperança de um final feliz.

Com o tempo, os fulgores dos fios de seda que compunham os motivos da minha missão tornaram-se rotineiros marrons. Mas, mesmo assim, percebi que a beleza que eu via antes, estava a minha espera nos caminhos do prazer. Eu estava preparado para receber o sabor do delírio contigo. Você não, contudo.
Hoje a confluência de uma alma perdida caminha na explosão do branco e do tempo. Cego sim! Enxergo apenas as nuances do passado nas escancaradas portas da perversa juventude, sedenta por desafiar as libidos deste ancião que voltou da grande guerra vencedor, mas ainda sofre a dor das causas impossíveis.

Além disso, admito que pouco sei sobre as regras dos jogos cotidianos do olhar. Meu ímpeto pela ternura torna-me um fugaz admirador das possibilidades. E são a elas que me agarro e me destruo lentamente, afinal, alimento-me da paixão pelas causas do impossível e, como um leão faminto, nem sempre a tempo de ser sorrateiro. Mas, se neste momento escoro-me minhas palavras na ausência de som, confesso que das coisas que ganhei só consigo levar o amargo desdém daquilo que nunca tive a chance de se quer tentar conquistar.

O tempo me causa a cegueira do hoje em forma de paradoxo: não reconheço a dedicação do meu amor nos traços que vejo hoje, mas amo infinitamente você de outrora. Amor, cuja experiência modifica a alma e é capaz de mover obstáculos da percepção, mas estacionou-se dentro de mim na imagem da juventude perdida. Perdido sinto-me quando os sentimentos tornam-se sinas dentro de mim. Perdido sinto-me por não conseguir nesta noite ler essa página de maneira nostálgica apenas. Mas amanhã eu o silêncio de você voltará a reinar e quem sabe assim ficará por um bom tempo. Como disse, gosto de buscar as causas impossíveis.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Te ofereço minha adorável bagunça

Eles estão por aí

Sobre o cotidiano