O Diário de Teegoh – Semana 36

A dança desta noite foi cerceada pelas conversas triviais. As pessoas, nessa época do ano, têm o curioso costume de lamentar o verão passado. Não consigo imaginar ninguém daquele circulo a cavalgar, nem por um instante. Dolores Fleur, entre suas ancas que mais parecem montanhas de chantilly sequer conseguiria guiar um potro. Coitada. Porém, todos devaneiam sobre as maravilhas das férias e o contingente embutido desta época.

De todo modo, a irmã de Fleur, a bruxa da semana passada, não para de me indagar certa curiosidade. Talvez por conta do pão de mel em formato de casa, talvez pelo olhar incisivo... Contudo, confio meu palpite na simples constatação que as pessoas daqui não são interessantes e ela pôde ter me surpreendido, justamente em um agudo momento de abstinência intelectual.

Devo esperar mais um pouco nessa festa. Sorte é poder contar com meu caderno, mas veja, tal senhor insolente está olhando para mim enquanto fala qualquer coisa inútil para o outro, de vestimenta engraçada! Queria poder agora apresentar a feição de ambos ao verem eu segurar minhas partes baixas e apontar para eles! Sorte a minha ter uma mãe tão exímia a ponto de me poupar tamanho divertimento! Amanhã, aliás, minha noiva virá e mais tempo perdido terei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gentileza

Reflexos

Sobre o cotidiano