Parte de mim


Esta noite um romântico morreu
Mas a chuva que caia nada mais era do
que o reflexo de um dia quente do verão.
Nem mesmo as gostas sabem que nesta
noite morreu um romântico. Silenciosamente.
As pessoas contam os segundos em passos rápidos
para não sentir o toque da chuva.
Elas não sentem nada. Ninguém.

Esta noite um romântico morreu
Encontrara a resposta no silêncio absoluto.
A relatividade da vida se vinda para sempre.
O corpo, estendido sobre livros mofados e alguns rascunhos,
desintegra-se calmamente.
Como se toda a pressa e a correria dos sonhos
tornar-se-iam em virtudes superadas.
Não há mais paixão. Acabou.

Esta noite um romântico morreu
Estalado nas contas de poeira e odores da verdade
jaz talvez alguém insignificante.
Os copos de juventude em pele plácida
conservam ainda a pureza do sexo e dos desejos.
Parece intocado pela atitude cruel do tempo e dos acasos,
por poucas histórias, contudo.
A vida desvanece. Esfria.

Esta noite um romântico morreu
As próximas noites serão contos inexistentes,
de acidentes interrompidos e calmaria.
Não mais qualquer tormenta.
Não há mais tempo também. Não há mais nada.
Acaba a vida como um suntuoso show de um lado.
As respostas não existem.
Os momentos continuam...

.
.
.

Comentários

Tatha Fernandes disse…
InsólitO!

Postagens mais visitadas deste blog

Gentileza

Reflexos

Sobre o cotidiano