O Diário de Teegoh – Semana 21

O cheiro do mar salgado costumava enjoar-me. Mas hoje, custo entender essa minha ausência de qualquer sensação. Antes, é verdade, não era eu o ser mais emotivo dessa terra, mas me restava a inconformidade de um jovem de tenra idade. Hoje, apesar do meu rosto não guardar as marcas dos meus dias, devo ser mais velho que um ancião.

Devo ser mais amargo que fruta apodrecida, esquecida na caixa. Ao sair do campo de Hades não tive que enfrentar nenhum Cérbero, apenas a minha consciência... Morrera ali. Com qualquer resquício de humanidade. Hoje sou um anjo ou um arauto de coisa qualquer, de coisa de ninguém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gentileza

Reflexos

Sobre o cotidiano