Para a Primavera Que Um Dia Virá

Chuva chova e molhe o mundo, deixe-me dizer quem eu sou
Chuva chova e traga as coisas que um dia se perdeu
Chuva chova e viva no calcário duro dessas terras

Onde um dia morreram inocentes,
Onde um dia mentiras foram ditas,
Onde um dia o amor não existiu.

Eu sou de ninguém.... Eu sou de ninguém...

Chuva mata a sede de quem tem gana de vida
Chuva mata o sal e traga a colheita de cores
Chuva mata o mal e molhe as flores do mundo

Cante a alegria e as horas do amanhecer
Cante a diáspora e traga o mel das abelhas
Cante os cantos dos arcanjos e voe sem parar

Eu sou de ninguém... Eu sou de ninguém...

Chuva brote do chão e se transforme em fogo
Chuva brote tudo menos mais violência
Chuva brote tudo,seja no céu ou na terra

Brinque pois a criança ainda vive
Brinque pois o mundo esta a amanhecer
Brinque pois o que nos restará amanhã?

Eu sou de ninguém... Eu sou de ninguém....

Eu sou....

Eu sou...

Eu...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Te ofereço minha adorável bagunça

Eles estão por aí

Sobre o cotidiano