Na esquina do tempo e encontros - Charles Dickens

Foge dos cruéis caminhos da realidade de outrora e cria para si e para o mundo um espaço que, através da fantasia, comenta as convenções sociais. É um menino. Insatisfeito. Busca nas esquinas das possibilidades, tratar os sonhos do reencontro.

E assim, retratos de reconciliações formam. O jovem e o velho. O mundo e o avanço. A monarquia e a plebe. São os laços entre aquilo que os preenchem, uns aos outros. Cabe a nós, donos de mais de 100 anos de tentativas, encontrar as fartas vertentes de um cotidiano de sentimentos passados.

Como uma dança de poderes. Você é Pip. Você se perde não por conta das brumas do inverno, mas pela moralidade vitoriana de ontem e de hoje. Perde a ingenuidade que um dia lhe guiou para enfrentar o medo e oferecer o que comer ao mostro que lhe era o mais atemorizante. Você viu o homem que se vestiu de mostro cruel - sociedade.

Vá! Sobreviva a tudo isso, enfim! Atrás das máscaras você talvez não encontre um pai, mas um amigo. Se não, com grande esperança, um retrato de homem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gentileza

Reflexos

Sobre