Reflexos

O que vejo engulo. Toda sua baça forma, incorpórea cor.
O tempo reflete gordura e carne na exatidão do caos
E a leviana fé entende o erro e pressupõe que não houve.
Jogo mais com cautela, os preâmbulos das virtudes vis
Pois fui dono dos pecados prejulgados de outrora

Estendo a finitude de um lago, cujos contornos vemos
Somente para você se experimentar se ver em mim.
As águas são cálidas, como o suspiro final do moribundo
E seu cheiro, um último e acre vislumbre da contrição.

Em mim morava um jovem que se afogou na culpa
E a escuridão dos sonhos fez apenas dias cinzentos.
Emergindo a velha companheira de toque impossível
Que veste a solidão em cada nó dos seus cachecóis. 

Jurei cuidar da tua virgindade os assuntos do mundo
Para preservar a ingenuidade do pessimismo de seu eu.
Garanti o reflexo perfeito de um fragmento do adeus
Que teima em segurar os véus de um cadáver iludido
E então dizer que há luz onde só vejo escuridão.

Philip Gladstone - Behind the Gilded Wall
http://www.philipgladstonestudio.com/gilded-wall

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gentileza

Sobre o cotidiano