O corredor das estações

Fosse o mundo meu, e um pouco de alegria
depositaria em cada alma solitária
E então, os adormecidos sonhos de
outrora despertar-se-iam ao amanhecer
Acompanhando a alvorada dos homens

A festa do jubileu, a preparar estaríamos,
na primavera da era imortal
Cujo amor, plantado no inferno
da mais profunda melancolia, floresce
E os vasos varonis preparam-se para o coito

Sim! É a aurora sob os sons das trombetas
a anunciar o sabor do verão
Clama na astucia jovial o gesto dos beijos livres
a dançar entre os lábios
Já não é sem tempo, e a vida, enfim, é plena!

Mas o silencioso tom alaranjado
tinge os contornos dos nus ao céu
Como um traquinas a desafiar
a jovialidade efêmera, cai-nos o outono.
E, sem mais delonga, rouba-nos a precisão dos atos.

Fosse o mundo meu, e um pouco de alegria
depositaria em cada alma solitária
Pois reconhecer as estações da vida
não nos torna responsáveis pela finitude
Tampouco somos donos do desejo de jovem ser...

Para sempre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gentileza

Reflexos

Sobre