Perdido

Lá... bem longe, perto apenas das idéias nunca reveladas e dos cantos impronunciáveis eu passei aquela noite. Num ato que parecia ingênuo ser, no meio das montanhas de livros em branco, e assim por acaso você encontrei numa brincadeira nada infantil.

Pouco se passa, o encanto se instala, a voz se apresenta e as ilusões dançam sem as preocupações de um adulto em formação (de algo). Mas, como todo canto, o dote era mais inebriante do que os longos e frios dias de agosto.

Sem pestanejar, a música silenciosa anunciava a chegada da grande valsa. Naquele salão, as velas davam o tom de solenidade e eu estava à tua espera. Meu sexo era teu e nem a pior das crises poderia atingir-me naquele instante.

A poucos passos de sentir o teu perfume, o balanço das chamas cantarola entre mil aromas diferentes, elas são graciosamente tocadas pelo vento do luar, e assim tornam-se fiéis expectadoras de um baile sobre mim mesmo.

Trajando apenas a sombra da noite, mas tocado pelo brilho das luzes dançantes das velas, caminhava em sua direção, pois sabia que o sonho era etéreo e a conclusão absoluta inevitavelmente seria.

Por mais que tentasse me enganar, eu conhecia aqueles passos, e a luminosidade estremecida daquele ambiente já não era mais capaz de transportar-me para o baile, sem com isso perder de vista os meus sapatos.

No final, perceber que tamanha beleza tinha sido de apenas um único protagonista não mais me entristeceria. Entreguei-me ao desejo calado, mesmo consciente que estava a construir uma história de para mim mesmo.

A noite termina com os primeiros raios de sol a tocar timidamente o orvalho sob as folhas das árvores. Percebia paulatinamente cada detalhe do meu corpo e não mais me importava. Amei-te profundamente sem você sequer saber que fora amado.

Calei-me perante aquela algazarra de sentimentos e percebi que o que procurei era o prazer de sentir-me feliz por mim mesmo. Contemplei um sorriso inesperado que ganhou impulso para, por fim, morrer sem descobrir absolutamente nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Te ofereço minha adorável bagunça

Eles estão por aí

Sobre o cotidiano