O Convite de Aniversário

E por quanto tempo caminharei ainda não sei. Não devo começar pelo começo, pois o começo já não é mais o presente. O começo está a dois anos, numa casinha de retalhos de idéias que surgiu do nada, ou melhor, de uma singela esperança.

Corri por ai! Decidi matar-te! Decidi pela vida e decidi que era a hora de saber quem éramos. Não sei quase nada, mas imagino que você pense que eu sou muito repetitivo e, desse convite de aniversário peço-lhe desculpas pelas minhas faltas e delimitações. São dois anos de descontinuado, mas uma infinidade de outros tempos perante os sonhos que deixei se perder nas folhas de caderno azul e por aqui nunca passaram, outros tantos que, pelo conteúdo, foram guardados no baú das lembranças para sempre lembradas na solitária cabeça de um doido que prefere poupar os poupados. Talvez um dia elas ocupem os lugares que pensei serem delas, talvez não, pois agora elas têm uma nova casa, mesmo que ela seja do tamanho de um alfinete e não lhes faltam quase nada, pois é o espaço que elas estão agora.

Não me importo com todas as coisas importantes, mas importo-me com algumas palavras do teu dicionário de pensamentos, pois delas fiz duas salas no meu castelo, e sem elas, a estrutura nunca mais será a mesma. Por isso, caro desconhecido, se importe por eu me importar! Não que eu ou meus pensamentos sejam coisas importantes, pois de fato não são! Apenas são o que são, mas, e o que você fez ser para ti esse lugar solitário e descontinuado? Quais dos teus sonhos e desabafos foram consolados nessas palavras? Quem és tu?

Seja bem vindo nobre desconhecido, pois isso é o meu convite de aniversário e me disseram que nos aniversários devemos ser atenciosos, educados e receptivos. Eu acredito nessas palavras não ditas, pois se você agüenta todas, ou algumas, palavras desse universo, você é digno de ser recebido ao som das trombetas e caminhar pelo tapete dos escolhidos. Mas o que importa se você foi escolhido se o que ganha com isso não é reconhecido por aqueles que você gostaria que te reconhecesse. Sim, pois você se importa com as coisas importantes, mas eu não, por isso o que é para mim não é para ti!

Sei que por isso ser um convite, ele deveria ter chegado há, pelo menos, uma semana. Mas não. Por aqui, infelizmente (ou felizmente, talvez?) as coisas nem sempre são como as coisas por ai, portanto, se alegre hoje, mesmo que hoje seja um dia triste para você. E, por favor, não seja teimoso demais! Não me pergunte por que deve ficar feliz mesmo se hoje for um dia triste! Na verdade, não saberia te responder essa pergunta, nem sei se há uma resposta para ela, só sei que é melhor assim e que assim seja então! Nem sempre as coisas acontecem na hora certa, pois nem sempre a hora certa do teu relógio é a mesma hora certa do relógio do outro. Nem sempre a dor que eu sinto é a mesma sentida por ti, mas a dor que escrevo é a dor que você sente. Isso nos une nesse universo gelado, mas nos mantém excessivamente longe concomitantemente
.

Comentários

Demasiadamente humano! O tempo, os sentimentos, as dúvidas e a busca do "significado" da "importancia".
Gostei muito Juan... muito reflexivo

Postagens mais visitadas deste blog

Gentileza

Reflexos

Sobre o cotidiano